CINEMA, MÚSICA, PINTURA

Este Blog é produzido e dirigido por:



Denison Souza, arte-educador, escritor free lancer;

meu trabalho já foi publicado no Jornal do Recôncavo e Correio da Bahia

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Béla Bartók

Béla Bartók é um dos meus compositores prediletos. Ele, para mim, está no patamar de um Beethoven ou Bach, tranquilamente. Escreveu obras belíssimas e geniais. Hoje gostaria de comentar umas das obras que mais admiro, que me fascina a cada nova audição: o Divertimento para orquestra de cordas. Essa obra fora escrita no começo da Segunda Grande Guerra, na Suiça, e seu Adágio central atesta o grito de desespero que a Europa estaria prestes a dar. Para uma pequena orquestra com apenas 12 violinos, 4 violas, 4 cellos e 2 contrabaixos, a peça tem três movimentos, todos eles geniais. O Allegro inicial, em forma sonata, tem um tema inicial esplêndido, cativante. E segue como uma espécie de dança improvisada; os motivos melódicos e rítmicos - de inspiração pentatônica, mas, que evita a citação ao folclore - se encadeiam e se transformam num soberano à vontade. As diversas síncopes e ritmos quebrados é que dão a dinâmica ao movimento. Energia genial e explícita. Finalização calma. Mas, é o Adágio central que eu acho que é a fulcro da obra toda. Peça fúnebre admirável, uma das páginas mais mágicas e geniais do século XX, aqui Bartók se encontra em um de seus melhores momentos. Somente ele poderia ter escrito esta página magnífica, nessa linguagem que é só dele e de mais ninguém. Esse Adágio apresenta no começo fórmulas cromáticas admiráveis, de onde nasce um tema, que cresce em intensidade até atingir um grito de desespero. Este grito poderia ser o grito da Europa diante da Guerra que se iniciava. Passagem forte e magnífica de Bartók neste momento de genialidade universal. São nesses momentos que ele faz testa com um Beethoven, tranquilamente. Depois do grito - que, por sinal, combina com o quadro O GRITO, de Munch - ai os violinos desenvolvem ainda seu mais puro lirismo, desembocando em mais um momento de tensão e de desespero. Para depois, tranquilamente, silenciar pouco a pouco. Marcante esta página de Bartók. O movimento final - Allegro Assai - é outra maravilha dessa peça. Exemplo magnífico de orquestração de grande gênio moderno, este rondó tráz o carnaval e as cores vivas. O primeiro tema - bem cigano - se desenvolve com genialidade em forma de fugato alegremente animado; o segundo tema é mais grave, mais sério. Nesta passagem há uma cadência reservada ao violino solo à maneira cigana, cheia de virtuosismo exemplar. O ímpeto da vida, em dança, surge borbulhante nas próximas passagens deste movimento numa espécie de turbilhão rico em fantasias eróticas. Alguns compassos em pizicatos precedem o irresistível final acelerado ao máximo, como numa dança rodopiante de cigana, livre a girar na calçada de uma rua camponesa. Há muita virtuosidade nesta obra, mas, nunca em detrimento de uma certa espontaneidade um tanto rude, meio camponesa, altamente desejada pelo autor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário