CINEMA, MÚSICA, PINTURA

Este Blog é produzido e dirigido por:



Denison Souza, arte-educador, escritor free lancer;

meu trabalho já foi publicado no Jornal do Recôncavo e Correio da Bahia

sábado, 16 de janeiro de 2010

POR QUE BEETHOVEN E MOZART SÃO INSUPERÁVEIS?

Uma coisa é certa sobre a música clássica: Beethoven e Mozart são os maiores compositores de todos os tempos, falem o que quiserem falar...os dois dominaram todos os gêneros que existiam na sua época (sinfonia, ópera, canção, música sacra, concerto, música de câmara, sonata, etc) e conseguiram escrever obras-primas em todos eles...são os mestres com mais obras-primas inscritos na História da Humanidade. Escreveram obras fabulosas para todos os instrumentos possíveis e possuem mais de 15 melodias conhecidas por todos...fato raro na História.
E a sociedade universal concorda com isso...vi uma revista de História da BBC que citava os maiores gênios em cada área do conhecimento humano. Adivinhem quem era o gênio que representava a música erudita? Beethoven, claro. Na revista tinha uma pequena matéria sobre outro grande gênio da música...adivinhem quem? Isso mesmo...Mozart. Outra coisa...nos livros sobre música erudita a atenção maior é dada a Mozart e Beethoven...nos lançamentos de Cds...Mozart e Beethoven...sempre eles dois...isso não é coincidência. Sãos os maiores!!!

Chopin foi um grande mestre da composição, mas só para um instrumento, o piano...e de preferência, sozinho, sem acompanhamento de orquestra ou qualquer outro instrumento. Vivaldi compôs muita coisa para vários instrumentos e para vários gêneros, mas nota-se que sua obra não tem muita substância! Algumas coisas merecem respeito e a grande maioria é apenas repetição de fórmula.
Schubert é um grande mestre, mas não dominou o concerto, Ravel não sabia escrever música sacra, nem conseguiria, pois era ateu convicto...Stravinsky conseguiu explorar todos os gêneros possíveis...sinfonias, música sacra, óperas, balés, concertos, música de câmara...mas, todos concordam que o forte do mestre russo era a música de massa, orquestral, dramática...seja um balé, seja uma sinfonia ou uma ópera...ele era fraco na música camerística...todos os compositores revelam uma brecha no seu corpus de criação...menos Beethoven e Mozart...
Bach era um gênio completo...mas, em sua época não existia a sinfonia de autor, também se plageava muito; fica difícil compará-lo com Mozart...e mesmo assim ele nunca escreveu uma ópera...isso ficou para Haendel. Não se sabe como soaria uma ópera de Bach. Não importa por qual motivo, mas é fato que nenhum compositor da História tenha enfrentado o desafio de dominar todos os gêneros da Música e se sair bem em todos eles...mesmo nos gêneros menores como canção ou balé, Beethoven e Mozart foram grandes...e escreveram obras espetaculares...mesmo que Schubert, mais tarde, tenha recriado o gênero, elevando a canção à altura de grande gênero ou Tchaikovski e outros russos tenham elevado o gênero balé a um nível dramático escatológico.
Brahms era impecável, sério, muito talentoso...dominou tudo...mas, já se ouviu uma ópera sequer de Brahms...? Nunca teve oportunidade de enfrentar o desafio...e só teve pique prá escrever 4 sinfonias, com muita dificuldade, e muito poucos concertos. Isso não desmerece Brahms, mas se formos ver a quantidade extraordinária de concertos e sinfonias de alto nível de Beethoven e Mozart, fica claro que é difícil ser um Beethoven ou Mozart. Wagner, na época de Brahms, pegou este legado da ópera para si...se dedicou tanto à ópera, que não escreveu praticamente mais nada...os mestres se destacam em um ou outro gênero, quando são geniais...ou no máximo, tem apenas uma de suas obras conhecidas...Wagner, portanto é o mestre das óperas, Bruckner, das sinfonias...e por aí vai...Mussorgski só é reconhecido pelo seu Quadros de Exposição...e por aí vai...e nessa...Beethoven e Mozart ficam na dianteira, não devendo prá nenhum gênero.

Um comentário: